in

Mal cheiro na Vagina : Mal cheiro após Relação

Quem é mulher sabe bem como é desconfortável e constrangedor ter que conviver com odor vaginal, principalmente quando ocorre o mal cheiro na vagina após relação sexual. Existem muitos motivos que acabam provocando essa situação e o artigo de hoje irá lhe explicar detalhadamente sobre tudo e ainda te dar dicas para combater esses odores ruins na região íntima. Naturalmente, as mulheres apresentam um cheiro específico na vagina, e muitas delas têm vergonha quando o parceiro vai fazer sexo oral nelas. É muito importante compreender que esse odor vaginal é algo normal e toda mulher tem e não precisa ter vergonha nenhuma. A vulva tem sim seu cheiro específico. Diante de tantos produtos disponíveis no mercado para disfarçar esse cheiro, a mulherada exagera no desespero de camuflá-lo completamente e acaba prejudicando a sua própria saúde íntima. Preste bastante atenção a seguir que o artigo irá esclarecer muitas dúvidas do tipo e te fazer entender quando é normal ou não algum cheiro na região íntima. Tenha uma boa leitura!

Quem é mulher sabe bem como é desconfortável e constrangedor ter que conviver com odor vaginal, principalmente quando ocorre o mal cheiro na vagina após relação sexual. Existem muitos motivos que acabam provocando essa situação e o artigo de hoje irá lhe explicar detalhadamente sobre tudo e ainda te dar dicas para combater esses odores ruins na região íntima.

Naturalmente, as mulheres apresentam um cheiro específico na vagina, e muitas delas têm vergonha quando o parceiro vai fazer sexo oral nelas. É muito importante compreender que esse odor vaginal é algo normal e toda mulher tem e não precisa ter vergonha nenhuma. A vulva tem sim seu cheiro específico.

Diante de tantos produtos disponíveis no mercado para disfarçar esse cheiro, a mulherada exagera no desespero de camuflá-lo completamente e acaba prejudicando a sua própria saúde íntima.

Preste bastante atenção a seguir que o artigo irá esclarecer muitas dúvidas do tipo e te fazer entender quando é normal ou não algum cheiro na região íntima. Tenha uma boa leitura!

Em geral, todas as Vaginas têm um odor específico?

Já mencionamos anteriormente que sim, toda vagina tem naturalmente um odor característico da região que é completamente normal. Isso ocorre porque a região íntima promove a eliminação natural de Secreções e cheiros que se resultam do Processo Fisiológico responsável pela renovação das células. 
Em vista disso, qualquer mulher apresenta secreções e odores na área íntima. Em boa parte dos casos, esse cheiro é bem sutil e suave, porém ele pode acabar ficando mais intenso e mais forte dependendo da fase do Ciclo de Menstruação

Já mencionamos anteriormente que sim, toda vagina tem naturalmente um odor característico da região que é completamente normal. Isso ocorre porque a região íntima promove a eliminação natural de Secreções e cheiros que se resultam do Processo Fisiológico responsável pela renovação das células.

Em vista disso, qualquer mulher apresenta secreções e odores na área íntima. Em boa parte dos casos, esse cheiro é bem sutil e suave, porém ele pode acabar ficando mais intenso e mais forte dependendo da fase do Ciclo de Menstruação.

Quando o odor na Vagina indica algum problema maior?

Toda mulher precisa saber que a Vulva tem o seu cheirinho natural, e que isso não significa nenhum tipo de problema. Porém, quando esse odor fica muito forte e perceptível, com presença de sintomas que incluem coceiras, ardores e corrimentos vaginais indica que há algum quadro de infecção na região íntima.
Sentir dores ou incômodos durante o sexo também são sintomas que indicam que algo está errado. 
Ou seja, esses sinais específicos alertam para a existência do Desequilíbrio da Flora Vaginal e por isso há presença de infecção que requer tratamento Ginecológico.

Toda mulher precisa saber que a Vulva tem o seu cheirinho natural, e que isso não significa nenhum tipo de problema. Porém, quando esse odor fica muito forte e perceptível, com presença de sintomas que incluem coceiras, ardores e corrimentos vaginais indica que há algum quadro de infecção na região íntima.

Sentir dores ou incômodos durante o sexo também são sintomas que indicam que algo está errado.

Ou seja, esses sinais específicos alertam para a existência do Desequilíbrio da Flora Vaginal e por isso há presença de infecção que requer tratamento Ginecológico.

O que a mulher tem que fazer quando se depara com tais sintomas? 

Esses sinais que mencionamos no tópico anteriores servem de alerta, por isso na medida que a mulher começa a senti-los o indicado é ir em busca de um profissional da área ginecológica, para que ele possa avaliá-la e descobrir o que está errado na sua saúde.

Geralmente, quando a mulher tem corrimento junto com um cheiro muito intenso, é sinal de quadros de infecções mais leves, que são provocados por Fungos e Bactérias, que acabam se proliferando e promovendo o desequilíbrio da Flora da Vagina.

Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s) como a Clamídia e a Gonorreia também provocam esse tipo de sintoma, o que reforça ainda mais a importância de buscar um médico ao menor sinal de qualquer sensação fora do normal na região.

Em casos excepcionais, os sintomas são decorrentes da inserção de algum objeto na região interna da Vagina, como Absorventes íntimos e camisinha.

A ducha Vaginal serve como método de higienização íntima?

Em muitas situações, a mulher opta pelas duchas Vaginais como forma de promover a eliminação do cheiro na região e se sentir mais limpa, na medida em que utiliza determinados produtos.

Entretanto, o que poucas mulheres sabem é que essas duchas não são indicadas, pois provocam a alteração da flora da vagina, o que atrapalha a defesa do nosso organismo e favorece a possível proliferação de bactérias na região. Além disso, a depender do nível de intensidade, pode acabar provocando Micro lesões na região da mucosa da Vagina.

É seguro usar sabonetes e lenços para a área íntima?

Esses sabonetes voltados para a área íntima apresentam um nível de PH com mais acidez, que geralmente fica entre 4,5 e 5,5, o que é similar ao nível de PH da Vulva, além de terem caráter Hipoalergênico.
Em vista disso, eles não são imprescindíveis para manter a região íntima bem higienizada, mas há mulheres que se sentem mais limpas quando usam eles. A única recomendação, é não abusar nesse uso, evitando lavar a área íntima com tais sabonetes mais de uma vez no dia, pois eles podem acabar removendo a proteção existente na região, desidratando a pele e a mucosa da Vagina. 
A utilização de lenços para a área íntima, entretanto, é muito útil na vida das mulheres, quando estas se encontram fora de casa. Assim, podem usá-los para limpar a região, mas sempre tendo o cuidado de não friccionar o local com muita intensidade ou demasiadamente.

Esses sabonetes voltados para a área íntima apresentam um nível de PH com mais acidez, que geralmente fica entre 4,5 e 5,5, o que é similar ao nível de PH da Vulva, além de terem caráter Hipoalergênico.

Em vista disso, eles não são imprescindíveis para manter a região íntima bem higienizada, mas há mulheres que se sentem mais limpas quando usam eles. A única recomendação, é não abusar nesse uso, evitando lavar a área íntima com tais sabonetes mais de uma vez no dia, pois eles podem acabar removendo a proteção existente na região, desidratando a pele e a mucosa da Vagina.

A utilização de lenços para a área íntima, entretanto, é muito útil na vida das mulheres, quando estas se encontram fora de casa. Assim, podem usá-los para limpar a região, mas sempre tendo o cuidado de não friccionar o local com muita intensidade ou demasiadamente.

Usar protetores diários evita odores na Vagina?

Algumas mulheres tem o hábito de usar no dia a dia os absorventes diários, mais conhecidos como protetores.  Esse uso é voltado para evitar que a secreção expelida pela vagina manche a roupa íntima.

Contudo, o hábito não é saudável pois dificulta a ventilação na área da vagina, favorecendo a proliferação de bactérias e fungos. O ideal, é que se você usa protetor diário, comece a evitar o hábito para não comprometer a saúde íntima.

Super Dicas de Compras

Roupas, bolsas, Make up e muito mais. Produtos escolhidos por nossa curadoria especialmente para você. Confira ;)

De que forma a mulher deve higienizar a área íntima?

Para quem não sabe, não há necessidade de limpar a vulva várias vezes ao dia para manter ela limpa. Basta limpá-la uma vez diariamente, durante o seu banho, não precisa friccionar com muita intensidade e use água e sabonete neutro para higienizar, por um período médio de três minutinhos. 
O ideal é usar sabonetes que não contenham muita ação detergente, com perfumes exagerados e que não apresentem um PH muito ácido. Para não errar na escolha, você pode apostar nos sabonetes de Glicerina, que são excelentes. 
Quanto mais produto químico tiver o sabonete, menos indicado ele é para a limpeza da área íntima, visto que isso pode acabar provocando quadros de alergias. Aliás, não faça a higienização usando buchas nem esponjas. 
Higienizar a Vulva excessivamente, pode acabar agravando o odor da Vagina, visto que provoca a remoção da proteção natural existente no local, o que o deixa suscetível a sofrer com Infecções e Reações Alérgicas.

Para quem não sabe, não há necessidade de limpar a vulva várias vezes ao dia para manter ela limpa. Basta limpá-la uma vez diariamente, durante o seu banho, não precisa friccionar com muita intensidade e use água e sabonete neutro para higienizar, por um período médio de três minutinhos.

O ideal é usar sabonetes que não contenham muita ação detergente, com perfumes exagerados e que não apresentem um PH muito ácido. Para não errar na escolha, você pode apostar nos sabonetes de Glicerina, que são excelentes.

Quanto mais produto químico tiver o sabonete, menos indicado ele é para a limpeza da área íntima, visto que isso pode acabar provocando quadros de alergias. Aliás, não faça a higienização usando buchas nem esponjas.

Higienizar a Vulva excessivamente, pode acabar agravando o odor da Vagina, visto que provoca a remoção da proteção natural existente no local, o que o deixa suscetível a sofrer com Infecções e Reações Alérgicas.

Tem como evitar maus odores na vagina durante o período menstrual?

A higienização da área íntima feminina não precisa ser modificada quando a mulher está no período da menstruação. Entretanto, é necessário trocar o absorvente interno ou externo com regularidade, pois se demorar muito o sangue acaba se acumulando e pode provocar consequentemente o mau odor.

Usar roupas justas aumenta o mau cheiro na Vagina?

Quando a mulher usa uma roupa muito apertada, isso acaba dificultando a circulação de ar na área íntima, o que promove excelentes condições para a proliferação de fungos e bactérias que causam Infecções e mau cheiros no local.

O indicado é usar roupas mais larguinhas e calcinhas de algodão.

Os odores na Vagina variam de mulher para mulher? O que se pode fazer para diminuir o mau cheiro intenso?

Determinados aspectos individuais acabam provocando determinados odores fortes em certas mulheres. Dos principais podemos destacar:
•	Transpirar excessivamente: Nesse caso o recomendado é trocar frequentemente a roupa íntima que usa e sempre optar pelas peças de algodão.
•	Quadro de Obesidade: Nesse caso as dobrinhas da pele favorecem o acúmulo de secreções, em vista disso o ideal é ter mais atenção para tais áreas, sempre mantendo elas bem limpinhas e secas.
•	Alimentação: A rotina alimentar da mulher pode interferir no odor da Vagina. Algumas afirmam que quando consomem peixes, alho ou determinados tipos de suplementos ocorre esse tipo de alteração no cheiro. Entretanto, isso é algo muito raro de acontecer e se ocorrer é só evitar o consumo deles para que o odor volte ao normal.

Determinados aspectos individuais acabam provocando determinados odores fortes em certas mulheres. Dos principais podemos destacar:

  • Transpirar excessivamente: Nesse caso o recomendado é trocar frequentemente a roupa íntima que usa e sempre optar pelas peças de algodão.
  • Quadro de Obesidade: Nesse caso as dobrinhas da pele favorecem o acúmulo de secreções, em vista disso o ideal é ter mais atenção para tais áreas, sempre mantendo elas bem limpinhas e secas.
  • Alimentação: A rotina alimentar da mulher pode interferir no odor da Vagina. Algumas afirmam que quando consomem peixes, alho ou determinados tipos de suplementos ocorre esse tipo de alteração no cheiro. Entretanto, isso é algo muito raro de acontecer e se ocorrer é só evitar o consumo deles para que o odor volte ao normal.

Sexo Oral versus Odor Vaginal

Já sabemos que o odor natural da vagina é algo que toda mulher tem e é uma característica fisiológica. Mas mesmo assim, a maioria ainda sente vergonha desse cheiro natural, principalmente quando o parceiro vai fazer sexo oral. E você sabe porque existe tanta vergonha assim?
Boa parte da população feminina não conhece completamente o seu próprio corpo e a sua sexualidade. De acordo com uma pesquisa realizada em meados de 2015, constatou-se que cerca de quarenta por cento das mulheres não tem hábito de masturbação e quase vinte por cento delas nunca fizeram isso na vida. 
Analisando a população masculino esse cenário muda bastante: quase dezoito por cento dos homens não possuem o hábito de se masturbar. 
A falta de conhecimento sobre o próprio corpo justifica porque quase quarenta e cinco por cento das mulheres apresenta dificuldades para conseguir alcançar o orgasmo e comumente sentem falta de libido. 
E sabe porque isso acontece? Não é novidade nenhuma: A desigualdade de gênero é a principal responsável por limitar a expressão da sexualidade da mulher, e naturalmente ela foi reprimida ao longo da história. 
Enquanto o homem cresce ouvindo que ele deve se masturbar, a mulher cresce ouvindo que isso é errado. E se a mulher não sabe ao certo o que lhe promove prazer, dificilmente ela consegue alcançar isso com o seu parceiro e ainda não consegue ter um desenvolvimento sexual efetivo. 
Essa desigualdade também existe na fase adulta. A mulher mesmo madura, tem medo de ser julgada pelo parceiro se tiver determinado comportamento na cama. Assim, ela se fecha e se limita. Não aproveita ao máximo os prazeres que o sexo proporciona ao casal. Muitas vezes nem chega ao ápice da relação. 
Infelizmente, em pleno século vinte e um, a Vagina ainda é encarada como meio de promover prazer para o homem e trazer filhos para o mundo. Muitos encaram esse órgão feminino como algo feio, estranho, algo que não deve ser encarado e verdadeiramente explorado e conhecido. 
Existem inúmeros produtos comercializados em farmácias que prometem disfarçar o cheiro da vagina a todo custo e isso já reflete o quanto a sociedade não sabe lidar com determinadas coisas que são naturais e que não deveriam ser encaradas como um problema que tem que ser resolvido. 
Para se ter uma ideia, a empresa Sex Wipes, em São Paulo, por volta de 2015, fez uma pesquisa que analisou ativos sexualmente entre dezoito e trinta anos. O estudo evidenciou que cerca de quarenta e três por cento dos homens não fazem sexo oral em suas parceiras, na medida em que quase oitenta por cento alegam receber o sexo oral delas. 
Dos homens que afirmaram fazer sexo oral na companheira, trinta e cinco por cento afirmaram que não gostam da prática e tudo isso por conta de nojo da aparência, do odor e da umidade da região.

Já sabemos que o odor natural da vagina é algo que toda mulher tem e é uma característica fisiológica. Mas mesmo assim, a maioria ainda sente vergonha desse cheiro natural, principalmente quando o parceiro vai fazer sexo oral. E você sabe porque existe tanta vergonha assim?

Boa parte da população feminina não conhece completamente o seu próprio corpo e a sua sexualidade. De acordo com uma pesquisa realizada em meados de 2015, constatou-se que cerca de quarenta por cento das mulheres não tem hábito de masturbação e quase vinte por cento delas nunca fizeram isso na vida.

Analisando a população masculino esse cenário muda bastante: quase dezoito por cento dos homens não possuem o hábito de se masturbar.

Nossas Dicas de Makeup

Roupas, bolsas, Make up e muito mais. Produtos escolhidos por nossa curadoria especialmente para você. Confira ;)

A falta de conhecimento sobre o próprio corpo justifica porque quase quarenta e cinco por cento das mulheres apresenta dificuldades para conseguir alcançar o orgasmo e comumente sentem falta de libido.

E sabe porque isso acontece? Não é novidade nenhuma: A desigualdade de gênero é a principal responsável por limitar a expressão da sexualidade da mulher, e naturalmente ela foi reprimida ao longo da história.

Enquanto o homem cresce ouvindo que ele deve se masturbar, a mulher cresce ouvindo que isso é errado. E se a mulher não sabe ao certo o que lhe promove prazer, dificilmente ela consegue alcançar isso com o seu parceiro e ainda não consegue ter um desenvolvimento sexual efetivo.

Essa desigualdade também existe na fase adulta. A mulher mesmo madura, tem medo de ser julgada pelo parceiro se tiver determinado comportamento na cama. Assim, ela se fecha e se limita. Não aproveita ao máximo os prazeres que o sexo proporciona ao casal. Muitas vezes nem chega ao ápice da relação.

Infelizmente, em pleno século vinte e um, a Vagina ainda é encarada como meio de promover prazer para o homem e trazer filhos para o mundo. Muitos encaram esse órgão feminino como algo feio, estranho, algo que não deve ser encarado e verdadeiramente explorado e conhecido.

Existem inúmeros produtos comercializados em farmácias que prometem disfarçar o cheiro da vagina a todo custo e isso já reflete o quanto a sociedade não sabe lidar com determinadas coisas que são naturais e que não deveriam ser encaradas como um problema que tem que ser resolvido.

Para se ter uma ideia, a empresa Sex Wipes, em São Paulo, por volta de 2015, fez uma pesquisa que analisou ativos sexualmente entre dezoito e trinta anos. O estudo evidenciou que cerca de quarenta e três por cento dos homens não fazem sexo oral em suas parceiras, na medida em que quase oitenta por cento alegam receber o sexo oral delas.

Dos homens que afirmaram fazer sexo oral na companheira, trinta e cinco por cento afirmaram que não gostam da prática e tudo isso por conta de nojo da aparência, do odor e da umidade da região.

Mal cheiro na Vagina após relação: O que pode indicar?

DE forma geral a saúde intimada mulher reflete diretamente o seu bem-estar em todos os aspectos. Em vista disso, é muito importante sempre estar atenta aos sinais que podem acabar surgindo na área feminina. 
Não necessariamente, toda vez que uma doença afeta a Vagina é de caráter sexualmente transmissível. A falta de higiene correta da região pode sim prejudicar a saúde e criar condições propícias para surgir infecções, por exemplo. 
Caso você tenha uma vida sexual ativa, é importante estar atenta ao momento íntimo entre você e seu parceiro. Naturalmente, durante o sexo alguns aspectos como cheiros específicos, suores, sêmens e secreções na vagina são comuns e não há problema nenhum com isso. 
Contudo, se você perceber que logo depois da transa a vagina começa a exalar um odor muito forte, é necessário ter cautela e bastante a tenção para identificar o que pode estar acontecendo. 
Veja a seguir alguns motivos que podem provocar mal cheiro na vagina após relação: 
1.	Vaginose bacteriana
Um dos motivos que podem ser o desencadeador de mau odor na vagina depois do sexo é o que chamamos de Vaginose Bacteriana. Ela surge em decorrência da proliferação excessiva de bactérias na Vagina. 
A Vaginose não é uma DST, é uma doença que surge quando a Flora Vaginal sofre alterações. Nessa alteração há um predomínio de bactérias que se desenvolvem e se multiplicam no local. 
Não precisa ficar assustada, porque a Vaginose Bacteriana pode ser tratada facilmente e esse processo é feito baseado no uso de medicamentos antibióticos. 
É muito importante ir para um médico para que ele possa te analisar e fazer o diagnóstico preciso, pois a Vaginose pode ser facilmente confundida com outro problema chamado de Candidíase. 
No caso da Candidíase, o tratamento é feito à base de antifúngicos, por isso, indo a um profissional qualificado você irá descobrir o que verdadeiramente está afetando sua saúde íntima, a fim de receber o tratamento correto. 
Veja a seguir os principais sintomas da Vaginose Bacteriana:
•	Presença de corrimento com um odor ruim logo depois do sexo. O corrimento geralmente tem cor acinzentada e seu aspecto é granuloso;
•	Presença de um cheiro de peixe depois do sexo. É um cheiro bem ruim que chega a perdurar depois que o casal tem a relação sexual. 
•	Coceiras na região íntima;
•	Sentir queimar enquanto urina.
O processo de diagnóstico da doença é realizado por intermédio de um Exame conhecido como Papanicolau. Esse exame é solicitado pelo médico Ginecologista, no instante em que a mulher começa a relatar um ou mais dos sintomas descritos acima. 
Se depois do exame for constatado que a mulher tem Vaginose Bacteriana, ela vai trata-la com os antibióticos que o médico irá passar e o processo de cuidado é simples e tem melhora eficaz. 
Existem dicas que a mulherada pode seguir para prevenir ter essa doença: O primeiro passo é fazer os exames ginecológicos anualmente, de forma periódica. 
O ideal é que a mulher tenha mais cautela com a quantidade de parceiros sexuais que ela costuma ter na rotina, usar sempre camisinha em toda relação que tiver e evitar fazer duchas vaginais. 
Se por ventura a mulher não tratar corretamente o problema, pode ocorrer diversas complicações e uma dela é aumentar significativamente as chances de ocorrer uma infecção por AIDS (se ela ficar exposta ao vírus) ou a infecção por outras enfermidades de origem sexualmente transmissível, como é caso da Gonorreia e da Clamídia. 
2.	Candidíase
Outra doença que pode provocar mal cheiro na vagina após relação é a Clamídia. Ela também é chamada de Vulvovaginite e trata-se de uma infecção que é provocada pelo crescimento e proliferamento de fungos na área íntima feminina. 
Porém, a Candidíase pode acabar afetando outras regiões do corpo, das quais podemos incluir a boca, o esôfago e a pele. Aliás, é comum que determinadas mulheres tenham mais propensão a desenvolver a infecção. São elas:
•	Mulheres que sofrem de diabetes;
•	Mulheres que tem a Predisposição Genética;
•	Mulheres que estão com o Sistema de Imunidade com algum comprometimento, decorrente de outra doença;
•	Mulheres que usaram recentemente algum tipo de antibiótico;
•	Mulheres que sofrem com estresse e
•	Mulheres que não higienizam corretamente a área íntima. 
O fungo que desencadeia a doença é o Cândida e ele normalmente não causa problemas maiores no corpo. Porém, em alguns casos ele acaba se proliferando de forma excessiva e isso que acaba causando a Candidíase. 
Conheça mais adiante os principais sintomas da Candidíase: 
•	Cheiro desagradável logo depois da transa, com presença de corrimento de cor esbranquiçada, similar a aparência de um leite coalhado. O Aspecto é espesso e granuloso;
•	A região íntima fica inchada e com aspecto avermelhado;
•	Ao urinar, a mulher sente dor e ardências. Inclusive essas sensações também são sentidas durante o sexo.  
Assim como a Vaginose, a Candidíase é diagnosticada através do Exame de Papa Nicolau. O tratamento é feito baseado no uso de antifúngicos que a mulher pode comprar com ou sem receia médica. 
É possível usar o Antifúngico oral ou na modalidade de pomada. Quem determina o tempo necessário para usar o medicamento durante o tratamento é o médico. 
Se você sentir alguns dos sintomas descritos, independente se você desconfia ter Vaginose ou Candidíase, não tente se automedicar. Primeiro que isso pode agravar o seu problema e afetar ainda mais sua saúde, segundo que só o médico vai saber identificar com precisão o que está te afetando e terceiro, se você não sabe ao certo o que está sofrendo, não saberá como vai tratar o problema: se é com antibióticos ou antifúngicos. 
Qualquer suspeita que você tenha, procure imediatamente o seu médico de confiança.

De forma geral a saúde intima da mulher reflete diretamente o seu bem-estar em todos os aspectos. Em vista disso, é muito importante sempre estar atenta aos sinais que podem acabar surgindo na área feminina.

Não necessariamente, toda vez que uma doença afeta a Vagina é de caráter sexualmente transmissível. A falta de higiene correta da região pode sim prejudicar a saúde e criar condições propícias para surgir infecções, por exemplo.

Caso você tenha uma vida sexual ativa, é importante estar atenta ao momento íntimo entre você e seu parceiro. Naturalmente, durante o sexo alguns aspectos como cheiros específicos, suores, sêmens e secreções na vagina são comuns e não há problema nenhum com isso.

Contudo, se você perceber que logo depois da transa a vagina começa a exalar um odor muito forte, é necessário ter cautela e bastante a tenção para identificar o que pode estar acontecendo.

Veja a seguir alguns motivos que podem provocar mal cheiro na Vagina após relação:

  1. Vaginose bacteriana

Um dos motivos que podem ser o desencadeador de mau odor na vagina depois do sexo é o que chamamos de Vaginose Bacteriana. Ela surge em decorrência da proliferação excessiva de bactérias na Vagina.

A Vaginose não é uma DST, é uma doença que surge quando a Flora Vaginal sofre alterações. Nessa alteração há um predomínio de bactérias que se desenvolvem e se multiplicam no local.

Não precisa ficar assustada, porque a Vaginose Bacteriana pode ser tratada facilmente e esse processo é feito baseado no uso de medicamentos antibióticos.

É muito importante ir para um médico para que ele possa te analisar e fazer o diagnóstico preciso, pois a Vaginose pode ser facilmente confundida com outro problema chamado de Candidíase.

No caso da Candidíase, o tratamento é feito à base de antifúngicos, por isso, indo a um profissional qualificado você irá descobrir o que verdadeiramente está afetando sua saúde íntima, a fim de receber o tratamento correto.

Veja a seguir os principais sintomas da Vaginose Bacteriana:

  • Presença de corrimento com um odor ruim logo depois do sexo. O corrimento geralmente tem cor acinzentada e seu aspecto é granuloso;
  • Presença de um cheiro de peixe depois do sexo. É um cheiro bem ruim que chega a perdurar depois que o casal tem a relação sexual.
  • Coceiras na região íntima;
  • Sentir queimar enquanto urina.

O processo de diagnóstico da doença é realizado por intermédio de um Exame conhecido como Papanicolau. Esse exame é solicitado pelo médico Ginecologista, no instante em que a mulher começa a relatar um ou mais dos sintomas descritos acima.

Se depois do exame for constatado que a mulher tem Vaginose Bacteriana, ela vai trata-la com os antibióticos que o médico irá passar e o processo de cuidado é simples e tem melhora eficaz.

Ad DDM

Existem dicas que a mulherada pode seguir para prevenir ter essa doença: O primeiro passo é fazer os exames ginecológicos anualmente, de forma periódica.

O ideal é que a mulher tenha mais cautela com a quantidade de parceiros sexuais que ela costuma ter na rotina, usar sempre camisinha em toda relação que tiver e evitar fazer duchas vaginais.

Se por ventura a mulher não tratar corretamente o problema, pode ocorrer diversas complicações e uma dela é aumentar significativamente as chances de ocorrer uma infecção por AIDS (se ela ficar exposta ao vírus) ou a infecção por outras enfermidades de origem sexualmente transmissível, como é caso da Gonorreia e da Clamídia.

2. Candidíase

Outra doença que pode provocar mal cheiro na Vagina após relação é a Clamídia. Ela também é chamada de Vulvovaginite e trata-se de uma infecção que é provocada pelo crescimento e proliferamento de fungos na área íntima feminina.

Porém, a Candidíase pode acabar afetando outras regiões do corpo, das quais podemos incluir a boca, o esôfago e a pele. Aliás, é comum que determinadas mulheres tenham mais propensão a desenvolver a infecção. São elas:

  • Mulheres que sofrem de diabetes;
  • Mulheres que tem a Predisposição Genética;
  • Mulheres que estão com o Sistema de Imunidade com algum comprometimento, decorrente de outra doença;
  • Mulheres que usaram recentemente algum tipo de antibiótico;
  • Mulheres que sofrem com estresse e
  • Mulheres que não higienizam corretamente a área íntima.

O fungo que desencadeia a doença é o Cândida e ele normalmente não causa problemas maiores no corpo. Porém, em alguns casos ele acaba se proliferando de forma excessiva e isso que acaba causando a Candidíase.

Conheça mais adiante os principais sintomas da Candidíase:

  • Cheiro desagradável logo depois da transa, com presença de corrimento de cor esbranquiçada, similar a aparência de um leite coalhado. O Aspecto é espesso e granuloso;
  • A região íntima fica inchada e com aspecto avermelhado;
  • Ao urinar, a mulher sente dor e ardências. Inclusive essas sensações também são sentidas durante o sexo.  

Assim como a Vaginose, a Candidíase é diagnosticada através do Exame de Papa Nicolau. O tratamento é feito baseado no uso de antifúngicos que a mulher pode comprar com ou sem receia médica.

É possível usar o Antifúngico oral ou na modalidade de pomada. Quem determina o tempo necessário para usar o medicamento durante o tratamento é o médico.

Se você sentir alguns dos sintomas descritos, independente se você desconfia ter Vaginose ou Candidíase, não tente se automedicar. Primeiro que isso pode agravar o seu problema e afetar ainda mais sua saúde, segundo que só o médico vai saber identificar com precisão o que está te afetando e terceiro, se você não sabe ao certo o que está sofrendo, não saberá como vai tratar o problema: se é com antibióticos ou antifúngicos.

Qualquer suspeita que você tenha, procure imediatamente o seu médico de confiança.

Dicas para driblar o mau cheiro na Vagina

Se você quer dar uma disfarçada no odor vaginal e ajudar a melhorar certos tipos de infeções na área, existem truques caseiros que pode ajudar. Separamos alguns para você. Confira: 
•	Usar Iogurte: O produto é rico em lactobacilos, que nada mais é do que bactérias saudáveis que diminuem significativamente a infecção provocada por fungos na região vaginal. Aliás, o Iogurte ajuda a restaurar o nível de Ph Vaginal normal e elimina o mau odor. O ideal, é consumir diariamente no mínimo duas xícaras do alimento ou aplicá-lo diretamente na Vagina, com o auxílio de algodão, de forma suave e deixar agir por dez minutinhos. Quando você for tirar o iogurte, lave bem a região e seque bastante. Pode repetir a aplicação de três a quatro vezes ao dia (não use essa receita se você tiver alergia à Laticínios). 
•	Usar remédios com alho: Para quem não sabe, o alho tem propriedades antibacterianas e por isso, consumi-lo diariamente ajuda a eliminar as bactérias que prejudicam a saúde íntima e provocam o odor forte e intenso na área.  Você pode comer um ou dois dentes de alho crus e beber um copo de água morna ao amanhecer, ainda em jejum, e o ideal é que você acrescente esse alimento no seu cardápio alimentar diário. 
•	Usar Vinagre de Maça: O vinagre é rico em propriedades Antifúngicas e Antimicrobianas. Ambos ajudam a equilibrar os níveis de PH da Vagina eficazmente. Para utilizá-lo você irá fazer um banho de assento: pegue uma bacia e encha com água morna. Em seguida acrescente três xícaras de vinagre de maçã (aproximadamente 750 ml). Você simplesmente vai permanecer sentada nessa água por cerca de trinta minutinhos e irá fazer isso uma ou duas vezes semanalmente. Caso o odor ruim na Vagina persista, você pode fazer o banho de assento diariamente até sentir melhora. 
•	Usar Óleo de árvore do chá: Esse óleo é um antisséptico natural muito potente, pois ajuda a eliminar os germes e as bactérias presentes no corpo de forma bem rápida. Basta misturá-lo com um pouco de água e lavar a região, que logo, logo você sentirá melhoras eficazes. 
Dicas para evitar o mau odor na Vagina
Assim como a mulher pode aproveitar truques para disfarçar o odor vaginal, ela pode ajudar a preveni-lo. Separamos para você as melhores recomendações. Preste atenção: 
•	Consuma bastante água diariamente;
•	Evite consumir bêbedas com cafeína na composição;
•	Evite consumir alimentos muito condimentados e com quantidade elevada de amido de milho;
•	Adicione no seu cardápio alimentar, o consumo de alimentos cítricos, ricos em Vitamina C;
•	Evite fazer sexo sem proteção;
•	Opte por roupas íntimas que tenham um tecido que permita a respiração da região, como é o caso das calcinhas de algodão, por exemplo;
•	Quando estiver no período da menstruação, troque os absorventes com frequência;
•	Evite usar roupas excessivamente justas;
•	Higienize bem a região da Vagina, com água e sabão neutro, sem friccionar demais o local;
•	E não faça duchas vaginais.
Ressaltando que se você sentir mau cheiro na vagina após a relação e começar a sentir sintomas que descrevemos ao longo do artigo, o mais importante é ir em busca de um médico. 
Somente o profissional vai saber descobrir o que está se passando com sua saúde íntima e te ajudar a melhorar de forma segura e eficaz. E no dia a dia, siga nossas dicas para evitar odores intensos e possíveis problemas na região, como infecções. 
Aliás, não esqueça de compartilhar essas orientações com suas amigas e familiares. A mulherada precisa ficar mais atenta a sua saúde íntima e aprender a cuidar melhor dela. Se cuida menina!

Se você quer dar uma disfarçada no odor vaginal e ajudar a melhorar certos tipos de infeções na área, existem truques caseiros que pode ajudar. Separamos alguns para você. Confira:

  • Usar Iogurte: O produto é rico em lactobacilos, que nada mais é do que bactérias saudáveis que diminuem significativamente a infecção provocada por fungos na região vaginal. Aliás, o Iogurte ajuda a restaurar o nível de Ph Vaginal normal e elimina o mau odor. O ideal, é consumir diariamente no mínimo duas xícaras do alimento ou aplicá-lo diretamente na Vagina, com o auxílio de algodão, de forma suave e deixar agir por dez minutinhos. Quando você for tirar o iogurte, lave bem a região e seque bastante. Pode repetir a aplicação de três a quatro vezes ao dia (não use essa receita se você tiver alergia à Laticínios).
  • Usar remédios com alho: Para quem não sabe, o alho tem propriedades antibacterianas e por isso, consumi-lo diariamente ajuda a eliminar as bactérias que prejudicam a saúde íntima e provocam o odor forte e intenso na área.  Você pode comer um ou dois dentes de alho crus e beber um copo de água morna ao amanhecer, ainda em jejum, e o ideal é que você acrescente esse alimento no seu cardápio alimentar diário.
  • Usar Vinagre de Maça: O vinagre é rico em propriedades Antifúngicas e Antimicrobianas. Ambos ajudam a equilibrar os níveis de PH da Vagina eficazmente. Para utilizá-lo você irá fazer um banho de assento: pegue uma bacia e encha com água morna. Em seguida acrescente três xícaras de vinagre de maçã (aproximadamente 750 ml). Você simplesmente vai permanecer sentada nessa água por cerca de trinta minutinhos e irá fazer isso uma ou duas vezes semanalmente. Caso o odor ruim na Vagina persista, você pode fazer o banho de assento diariamente até sentir melhora.
  • Usar Óleo de árvore do chá: Esse óleo é um antisséptico natural muito potente, pois ajuda a eliminar os germes e as bactérias presentes no corpo de forma bem rápida. Basta misturá-lo com um pouco de água e lavar a região, que logo, logo você sentirá melhoras eficazes.

Dicas para evitar o mal odor na Vagina

Assim como a mulher pode aproveitar truques para disfarçar o odor vaginal, ela pode ajudar a preveni-lo. Separamos para você as melhores recomendações. Preste atenção:

  • Consuma bastante água diariamente;
  • Evite consumir bêbedas com cafeína na composição;
  • Evite consumir alimentos muito condimentados e com quantidade elevada de amido de milho;
  • Adicione no seu cardápio alimentar, o consumo de alimentos cítricos, ricos em Vitamina C;
  • Evite fazer sexo sem proteção;
  • Opte por roupas íntimas que tenham um tecido que permita a respiração da região, como é o caso das calcinhas de algodão, por exemplo;
  • Quando estiver no período da menstruação, troque os absorventes com frequência;
  • Evite usar roupas excessivamente justas;
  • Higienize bem a região da Vagina, com água e sabão neutro, sem friccionar demais o local;
  • E não faça duchas vaginais.

Ressaltando que se você sentir mal cheiro na vagina após a relação e começar a sentir sintomas que descrevemos ao longo do artigo, o mais importante é ir em busca de um médico.

Somente o profissional vai saber descobrir o que está se passando com sua saúde íntima e te ajudar a melhorar de forma segura e eficaz. E no dia a dia, siga nossas dicas para evitar odores intensos e possíveis problemas na região, como infecções.

Aliás, não esqueça de compartilhar essas orientações com suas amigas e familiares. A mulherada precisa ficar mais atenta a sua saúde íntima e aprender a cuidar melhor dela. Se cuida menina!

Avatar

Written by Carolina Santos

Quando o assunto envolve casais, existe um grande conflito quando se trata de dormir de conchinha. Há que adore dormir nessa posição, da mesma forma que há quem não goste. Trata-se de um clássico do relacionamento sério e todo casal passa por esse momento quando as coisas estão mais firmes. Dormir de conchinha é uma das maneiras de aumentar o nível de intimidade de um casal, mas homens e mulheres enxergam isso de ângulos diferentes. Para a mulherada, dormir de conchinha com o parceiro é sinal de acolhimento emocional, proteção e uma das formas de se demonstrar que existem envolvimento na relação. Para os homens, dormir nessa posição é uma das formas de ficar com o braço dormente ou de dar aquela encostada básica na parceira para começar a esquentar o clima a dois. Em outras palavras, dormir de conchinha pode significar dormir literalmente ou simplesmente sentir desconfortos. Os homens principalmente, veem essa posição para começar uma brincadeirinha na cama. Algumas pesquisas realizadas nesse contexto, analisaram a maneira como os casais costumam dormir juntos. Quando o tema é dormir de conchinha, chegou-se a conclusão de que é apenas uma forma de demonstrar que o casal se importa um com o outro, mas a realidade das coisas é bem diferente. Nos filmes vemos casais dormindo dessa forma, são perfeitos que parece ser a melhor posição do mundo. Mas na vida real, essa posição pode ser de fato desconfortável para um dos parceiros, principalmente o homem, que geralmente sente a necessidade de ter muito espaço na hora de dormir. Se o seu namorado, marido ou ficante não gosta de dormir de conchinha com você, não confunda isso com ausência de amor. Muitos deles simplesmente não conseguem dormir assim, pois traz desconfortos, ficam com os braços dormentes e não pegam no sono. Veja mais adiantes alguns dos principais motivos que levam o parceiro a não gostar e dormir de conchinha: • A posição traz incômodos, visto que o braço começa a ficar dolorido, uma vez que permanece estático na mesma posição. Inclusive, para isso ocorrer não precisa nem passar a noite inteira assim, depois de alguns minutos o parceiro já começa a ter essas sensações negativas; • Há casais que conseguem dormir assim, mas há aqueles (a maioria), que não conseguem de jeito nenhum. Se esse for o seu caso, que tal ficar de conchinha antes de pegar no sono ou enquanto assiste um filme? É uma ótima opção de manter a proximidade sem afetar a qualidade do sono dos dois; • Nós mulheres não pensamos também que o nosso cabelo muitas vezes fica no rosto do nosso parceiro quando ficamos na posição de conchinha. Essa questão também é um dos motivos que fazem com que eles não gostem de dormir assim. • Como já mencionamos, o braço do parceiro costuma ficar com dormência. Aliás, até a mulher, por mais que ame dormir assim, muitas vezes também sente incômodo depois de um certo período de tempo nessa mesma posição. • Muitos homens detestam essa posição para dormir porque geralmente ficam excitados e quando isso acontece e a mulher quer de fato dormir, eles acabam tendo que se contentar com pegar no sono, isto é, tentar pegar no sono, em uma situação como essa. De forma geral, podemos sim afirmar que para a maioria da classe masculina, a posição e conchinha é ótima quando a proposta é rolar algo a mais quente naquela noite, e não para dormir. Aliás, conchinha não significa que só o homem abraça a mulher pelas costas, a mulher também pode abraçá-lo nessa posição. Muitas vezes é a forma de dormir de conchinha que mais funciona para os casais. Se você e seu parceiro vai dormir ou não de conchinha, só vão ter quartos separados ou vão dormir grudados, isso somente vocês poderão decidir. O casal, para uma melhor conivência precisa estabelecer limites e regras, principalmente na hora de ir para a cama descansar. Vocês podem variar na conchinha: um dia ele abraça outro ela abraça ou na posição que ficar melhor para ambos. O importante é que vocês tenham uma boa conversa sincera para ver o que agrada ou desagrada o outro e encontrem um consenso para quem ambos fiquem satisfeitos. O mais importante de tudo é não ficar chateado se o seu parceiro não quiser dormir nessa posição, afinal isso não tem ligação com o sentimento dele por você, e sim com os incômodos que a posição acaba trazendo. Mas se você e o seu homem querem experimentar a sensação, tem dicas que podem facilitar nesse momento. Foi pensando nisso, que o artigo reuniu as melhores dez dicas para você saber como dormir de conchinha. Anote todas elas e aproveite para curtir esse momento a dois. Vale muito a pena!

Como Dormir de Conchinha? Veja 10 Dicas

Neopilates Dicas de Menina

Neopilates: O que é? Quais os benefícios?